A influência do super-herói na formação da personalidade da criança

Compartilhe!

É muito comum que as crianças tenham um super-herói favorito durante a infância e o idolatrem. A identificação com o herói preferido é tão grande, que elas querem tudo que envolve o mesmo, como roupas, sapatos, brinquedos, festas de aniversário com o tema e etc. Mas esse fanatismo tem seu lado bom, pois os super-heróis são capazes de influenciar as crianças de forma positiva. Já que, geralmente, eles são vistos como seres especiais de boa personalidade, que lutam a favor do bem e contra o mal.

Esta influência se confirmou em um estudo realizado pela fábrica de brinquedos Mattel do Brasil, em parceria com o Instituto GFK Indicator, que constatou que os super-heróis não só influenciam o dia a dia das crianças como são essenciais para a formação da personalidade de cada uma delas

Segundo Lidia Aratangy, psicóloga e consultora da pesquisa, é nessa relação da criança com os super-heróis que são plantadas as primeiras sementes de valores, como ética, coragem e humildade. “Nos contos de fadas, os heróis são mais humildes e bondosos da família ou aldeia. São os que aceitam enfrentar a perigosa tarefa que irá salvar o reino, o rei, o pai”, diz.

Para chegar a essa conclusão, os pesquisadores observaram um grupo de meninos de 6 a 10 anos, estimulando a construir uma história de encontro com seu super-homem, com etapas que vão até o momento em que o garoto se transforma em herói. No enredo inventado, não aparece somente o lado poderoso do herói, mas também seus momentos de fraqueza e medos. “Essas fragilidades abrem brecha para o processo de identificação [da criança com o personagem]. Na maioria das histórias, é o garoto que tira o herói da dificuldade, para então se tornar seu aprendiz”, afirma a especialista.

E quanto aos vilões, que são essenciais para dar mais emoção as histórias e representam o lado do mal, valorizam ainda mais a importância de ser do bem. Eles são importantes para que as crianças saibam que o mal também existe, tanto na ficção quanto na vida real. “Porém, ao final de uma história, quando os heróis são agraciados ou recompensados, é uma demonstração de que o bem pode triunfar”, diz. E a pesquisa ainda foi além: as crianças que participaram do estudo demonstraram compreender que as características dos vilões são inerentes a qualquer pessoa. Segundo Lidia, as crianças reconhecem seu lado invejoso, ciumento, vaidoso e a capacidade destrutiva de cada um.

Desta forma, os pais podem ficar despreocupados em relação ao fanatismo de seus filhos pelos super-heróis. Pois além de algo normal durante a infância, os heróis são boas influências para as crianças. Elas aprendem muito a partir do caráter e das atitudes do herói

E, para aqueles que cresceram e não dispensam uma boa história de herói e vilão, uma excelente opção de leitura é o livro Ecos de Atlântida – O cavaleiro da água.

Compartilhe!