As ‘pequenas’ declarações e amor

Compartilhe!

É claro que um buquê de rosas imenso, chegando de surpresa é muito bom, sempre é muito gostoso um convite para um jantar à luz de velas, romântico, cheio de juras de amor… Como é gostoso viver um amor intenso, não?

Eu costumo dizer que uma grande declaração, mandar flores, cestas de café, juras imensas de amor são excelentes para um dia romântico, para registrar em uma foto ou, em tempos de rede social, para postar e receber os ‘likes’ e comentários.

Mas o dia-a-dia pede o amor simples, pede o amor suave, pede o amor companheiro, pede o amor parceiro, pede o amor que perdoa, pede o amor que admira, pede o amor que compreende, pede o amor simples!

Como é bom convivermos com o amor, como é bom compartilharmos o amor, esse amor simples, que se faz notar pelas ações simples diárias, mas ações que nos fazem sentirmos amparados, juntos, cuidados, queridos, compreendidos.

Como diria Rubem Alves: “O amor é a vida acontecendo no momento: sem passado, sem futuro, presente puro, eternidade numa bolha de sabão…”.

Dizemos que conhecemos o amor quando temos intimidade o suficiente para convivermos um com o outro, para conhecermos as qualidades e os defeitos de cada um e ainda assim, o sentimento permanecer inabalado. O amor supera os desafios, o amor supera as dificuldades, o amor supera os problemas, a doença e fica! Esse é o amor!
Como dizia sabiamente Carl G. Jung: “Onde o amor impera, não há desejo de poder.”, exato, onde o amor impera, existe a cumplicidade, existe o companheirismo, existe o suporte, o apoio, o compartilhar a vida e o dia-a-dia.

Muito bom saber que se está junto com alguém, mas junto mesmo, não importa o tamanho do desafio e o tamanho do problema. Eles serão compartilhados e carregados em conjunto. As estratégias para vencê-lo serão adotadas em conjunto também!

Esse amor, não é apenas o amor do casal, é o amor entre pais e filhos, entre família. O amor é base para que a vida possa ser vivida, para que os problemas possam ser enfrentados, mas também para que aquele almoço de domingo seja divertido, aquele filme antigo na TV seja um programa divertidíssimo! Para que cookies feitos em casa, recheados de amor sejam o melhor doce do mundo, esse amor é fundamental para que aquele: “Eu te amo e você é especial” dito sem pompa, sem preparo, tendo saído na sinceridade do momento, tenha um significado e uma magia renovadora. Seja reconstrutor.

Encerro a coluna de hoje, com uma música, com um desejo para cada um de nós: “Desejo que você tenha a quem amar e quando estiver bem cansado, ainda exista amor pra recomeçar, pra recomeçar.” Frejat.

Compartilhe!