Dezembro chegando – vamos pensar no ano que se despede e nos laços que fizemos

E num piscar de olhos o ano está em sua reta final. Passamos por muitas coisas durante este ano, vários foram os desafios, muitas vezes choramos escondido para não preocupar aqueles que nos amam, vencemos também muitos obstáculos que apareceram, descobrimos amigos incríveis em quem confiar sempre, nos decepcionamos com pessoas nas quais confiávamos, contamos com o carinho de gente que nem sonhávamos e demos nosso carinho e suporte a pessoas que de nós precisaram.

Vinícius e Toquinho cantam lindamente: “Como dizia o poeta, quem já passou por esta vida e não viveu pode ser mais, mas sabe menos do que eu, porque a vida só se dá pra quem se deu, pra quem amou, pra quem chorou, pra quem sofreu (…)”.
Ufa! Então estamos no caminho, não é? Sofremos, sorrimos, amamos, nos doamos, rimos, ficamos tensos, calmos, confiamos, tivemos medo, mas nos mantivemos firmes. Sustentamo-nos em pé, apesar dos pesares.

É chegada a hora de olharmos para nosso ano, para estes onze meses! O que fizemos de bom durante estes meses? O que nos orgulhou? Vamos pensar em todas as ações que tivemos que foram positivas, que nos auxiliaram, que significaram crescimento individual. Sim, é importante sabermos o que manteremos e desenvolveremos mais para o próximo ano.

Vamos pensar na parte complicada também, né? Onde erramos? O que fizemos que poderia ter sido evitado ou ainda feito de outra forma? Como poderíamos ter feito, que talvez, fosse menos ou não fosse prejudicial para nós?
Quem esteve conosco durante esse ano, todo o tempo, nas horas boas e nas horas ruins, quem segurou nossa mão ou nos acolheu em um abraço quando nos sentimos sozinhos e com medo. A quem fomos o abraço que acolhe, a mão estendida e o ouvido amigo? Já dizia W. Shakespeare: “Quem cedo e bem aprende, tarde ou nunca esquece. Quem negligencia as manifestações de amizade, acaba por perder esse sentimento.”.

Que nossa retrospectiva possa ser um momento de pensarmos nas pessoas que estiveram ao nosso redor, que nos acompanharam durante o ano, que nos auxiliaram, que nós auxiliamos, pessoas que passaram a ser parte de nossa vida e de nossa ‘família’.

E não é tarde para fazermos novos amigos, para fortalecermos nossas relações de amizade, para ajudarmos aos amigos que precisam e para nos deixarmos ajudar pelos amigos que podem fazê-lo.

Tracemos como meta para o ano que vai iniciar: solidificarmos nossos relacionamentos, estreitarmos nossos laços de amizade, buscarmos ajudar e dar ajuda. Que em nossas metas para o ano que se inicia, não deixemos de lado as pessoas, nossas relações, nossos amigos!
Encerro com um convite a reflexão de Voltaire: “Todas as grandezas do mundo não valem um bom amigo.”.

Compartilhe!