Ubuntu

Compartilhe!

Ubuntu é uma palavra de origem africana (África do Sul) e significa “Eu só existo porque nós existimos”.

Eu já conhecia a história do antropólogo, que, ao terminar seus estudos na África do Sul, durante o tempo que esperava seu voo, propôs às crianças da vila uma brincadeira: Comprou doces e guloseimas e fixou a cesta enfeitada embaixo de uma árvore. O desafio era: ao seu sinal, as crianças deveriam correr até a cesta e a que alcançasse a mesma primeiro, ganharia todos os doces. Explicadas às regras, crianças alinhadas e ele dá a largada. Para sua surpresa, todas as crianças dão as mãos e correm juntas em direção à cesta e juntas, felizes, riem e comem juntas as guloseimas. Então, ele percebeu que, apesar de seus estudos, ainda não havia entendido tudo sobre a cultura deles.

Uma das crianças disse: Se apenas um está feliz, nenhum está, todos precisamos estar felizes e emendou: “Ubuntu, tio”.

Ubuntu é ser humano, sendo como humanos, é respeito, empatia e união. O conceito é: “Gente precisa de gente para ser gente.”.

Enquanto assistia ao vídeo novamente, fiquei a pensar na profundidade desta lição e deste ensinamento: todos juntos precisamos estar felizes e gente precisa de gente para ser gente.

A resposta da criança é profunda pois está carregada de valores como respeito, cortesia, solidariedade, compaixão, generosidade e confiança.
No vídeo há uma frase impactante: “Quanto mais dedicado a outras gentes você for, mais gente você se tornará.”.

Talvez precisássemos refletir e buscar viver mais tais valores, viver mais o UBUNTU. Por que competimos tanto? Por que precisamos ser melhores que os outros, vencedores, por que alguém precisa perder?

Vou além: por que, apesar de conhecermos os conceitos de empatia, temos tanta dificuldade de coloca-los em prática?

Sempre, sempre que penso em empatia, não deixo de pensar em Carl Rogers: “Ser empático é ver o mundo com os olhos do outro e não ver o nosso mundo refletido nos olhos dele.”, sim, ser empático não é compreender o que o outro vive, mas querer que ele entenda como nossa idéia de solução de problemas o ajudaria. Ser empático é conseguirmos no colocar no lugar do outro e sentir exatamente o que ele sente. Sendo empáticos, não julgaremos, não apontaremos os erros e não apontaremos o ‘caminho correto’ ao outro.

Segundo a filosofia Ubuntu, para que uma pessoa seja feliz, será preciso que todas as pessoas do grupo se sintam felizes. Ubuntu é, portanto, um sistema de crenças, uma ética coletiva e uma filosofia humanista espiritual pautada pelo altruísmo, fraternidade e colaboração entre os seres humanos.

Em tempos de tanta competitividade, em tempo de tantas opiniões enfáticas e de tantas brigas, convido-os a reflexão sobre esta maneira de viver e de relacionar. Será que podemos aplicar o UBUNTU em nossas vidas e nossas relações? Isto seria bom?

Compartilhe!