Vaticano não confirma se Papa Francisco ligou para mãe de vereadora assassinada no Rio

A Sala de Imprensa da Santa Sé, responsável pela comunicação oficial do Papa, não confirma se a ligação para a mãe da vereadora Marielle Franco, assassinada no Rio de Janeiro (RJ), realmente existiu conforme portais vem noticiando.

O Rápido no Ar entrou em contato na manhã desta quinta-feira (22) com o Vaticano e, por e-mail, recebeu o comunicado de Greg Burke, diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé. “Os telefonemas do Santo Padre são privados. A Sala de Imprensa não confirma, nem desmente”, afirmou Greg.

Outra fonte do portal relata que, ao contrário do que vem sendo noticiado, a ligação não teria existido.
Meios de comunicação vem divulgando que o Papa teria telefonado para a mãe de Marielle. A Fundación Alameda, liderada pelo amigo pessoal do pontífice, Gustavo Vera, seria a fonte de divulgação da notícia por meio do Twitter.

A Fundação ainda detalhou que, em um primeiro momento, a filha de Marielle escreveu uma “afetuosa carta” a Francisco, que chegou ao pontífice através do argentino, amigo do Papa desde que este era arcebispo de Buenos Aires.

Posteriormente, o Papa teria tentando entrar em contato com Luyara Santos, filha de Marielle, mas finalmente falou com a mãe da vereadora através de uma ligação telefônica.

No entanto, como consta do comunicado oficial, isso não foi confirmado pelo Vaticano.

Veja a declaração na integra:

Compartilhe!